Compreender é uma das principais motivações que têm os seres humanos, o que pode fazer com que a própria escolha da carreira seja alicerçada no desejo de entender o mundo e tudo aquilo que o compõe e está ao seu entorno. É, em geral, essa a instigação de quem opta por ser professor de filosofia, carreira em que são necessárias algumas ações para a obtenção e a manutenção do sucesso profissional. Então, conheça 5 dicas!

1. Escolha a faculdade certa

A escolha da faculdade pode ser decisiva para o trajeto profissional do futuro professor de filosofia, sendo, por isso, necessário que se opte por uma instituição de ensino de qualidade. Embora ela não possa garantir o êxito acadêmico, pois isso também depende do aluno, a faculdade é fundamental para uma boa trajetória formativa e consequente atuação, já que oferece condições adequadas para o desenvolvimento do estudante.

A faculdade certa precisa reunir determinadas características. Seu pré-requisito básico é ter o curso de Filosofia reconhecido pelo Ministério da Educação. É crucial que conte com um corpo de professores qualificados, e ofereça infraestrutura adequada. Outra condição de suma importância é a existência de uma biblioteca com grande variedade e quantidade de livros, que é o principal material de estudo do estudante de filosofia.

2. Estude constantemente e de modo dedicado

Não existe segredo ou fórmula milagrosa. Para se destacar em uma carreira, é preciso estudar. No caso do professor de filosofia, essa necessidade se torna acentuada por dois motivos: em razão de a atividade docente exigir estudo contínuo e em virtude de o conhecimento filosófico demandar a realização de muitas leituras de natureza teórica.

Assim, tanto durante a etapa acadêmica formal na universidade, quanto após a conclusão do curso de graduação, é fundamental que o estudo seja colocado em primeiro plano. Isso significa, na primeira situação, ler não somente os conteúdos obrigatórios das disciplinas, mas, buscar leituras complementares, e, no segundo caso, fazer cursos de pós-graduação e aprimorar os conhecimentos filosóficos construídos.

3. Dê a devida importância à área da educação

A atividade básica de um professor de filosofia é a docência. Por isso, é essencial que ele dê satisfatória atenção aos conhecimentos da área educacional. Desse modo, além de estudar os conteúdos específicos da área de filosofia, esse docente deve se preocupar com as suas práticas pedagógicas, de modo a conhecer diferentes teorias de aprendizagem e a aplicar metodologias de ensino e técnicas didáticas variadas.

4. Projete o seu futuro profissional

Que o professor de filosofia é apto a ministrar aulas é uma constatação óbvia, contudo, é importante que ele defina e se prepare para o tipo de atuação profissional que deseja ter. Isso porque há diversas possibilidades de exercício docente, tais como a educação infantil e o ensino superior, as quais têm exigências específicas. O nível universitário, por exemplo, exige pós-graduação, que deve ser feita, se for essa a meta do profissional.

5. Esteja sempre atualizado

Mesmo que a filosofia seja uma área do conhecimento milenar — a matriz de todas as outras, vale lembrar — também passa por mudanças teórico-metodológicas, uma vez que pesquisas filosóficas são feitas em abundância. Para estar sempre atento a essas transformações, cabe ao professor de filosofia se atualizar, sobretudo, por meio de cursos de especialização e estudos constantes.

Gostou das dicas? Tem algo a acrescentar? Deixe um comentário!